1 de jun de 2012

O cérebro apaixonado



Tudo começa com um encontro. Os olhares se cruzam e, a partir daquele momento, a vida de ambos muda de alguma forma. Além da vontade de ficar junto todo o tempo, sintomas como frio na barriga, coração acelerado, tremores e a sensação de "borboletas no estômago" são frequentes em pessoas apaixonadas. Porém o que realmente acontece com nosso corpo quando nos apaixonamos?

A ciência vem buscando desvendar as alterações que ocorrem no corpo de quem se encontra em estado de graça. E ao contrário do que se pensa, não é o coração o órgão principal neste processo. O cérebro está no centro de tudo e, por isso, há diversas substâncias, como hormônios e neurotransmissores, responsáveis pelas sensações que o estar apaixonado proporciona. Os pesquisadores Donald F. Klein e Michael Lebowitz, do Instituto Psiquiátrico Estadual de Nova York (EUA), descobriram que a feniletilamina, um neurotransmissor mais simples, está presente em grande quantidade nos cérebros de pessoas apaixonadas e é responsável pelas modificações fisiológicas no corpo humano. Já Helen Fisher, pesquisadora e autora do livro A Anatomia do Amor (Ed. Eureka), expõe que os sintomas como falta de sono e/ou apetite, assim como a exaltação dos apaixonados, se deve à dopamina e à norepinefrina, neurotransmissores que estimulam o cérebro.

O organismo produz também substâncias que são secretadas por todo o organismo e influenciam a atração ou falta de desejo entre as pessoas, conhecidas como feromônios. Além disso, com o aumento dos níveis de testosterona há maior estímulo para o desejo sexual; a oxitocina - conhecida como o hormônio do amor - (nas mulheres) e a vasopressina (nos homens), são responsáveis por estreitar os vínculos entre o casal. E como resultado há uma boa dose a mais de dopamina que proporciona a sensação de recompensa e prazer.

Como seu corpo reage

Diversos estudos realizados com ressonância magnética demonstram que o cérebro realmente se altera quando a pessoa está apaixonada. Um deles foi dirigido pelos pesquisadores ingleses Andreas Bartels e Semir Zeki com voluntários que visualizaram fotos de diferentes pessoas: familiares, amigos e namorados (as). O cérebro desses jovens foi mapeado e, quando eles avistavam o ser amado, apresentavam alterações cerebrais visíveis, com uma hiperatividade em algumas regiões do órgão.


Para o psiquiatra Miguel Chalub, do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), a emoção amorosa desencadeia a ativação da glândula hipófise. "Ela lança na corrente sanguínea os hormônios da adrenalina e da noradrenalina. Estes hormônios são responsáveis pelas manifestações físicas do amor: aceleração dos batimentos cardíacos, rubor ou palidez da pele, aumento da fenda palpebral (arregalar dos olhos) e ansiedade", afirma.

Diversos estudos realizados com ressonância magnética demonstram que o cérebro realmente se altera quando 
a pessoa está apaixonada


Segundo Naim Akel Filho, professor de psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR), os hormônios liberados agem sobre as glândulas mamárias, o sistema urinário, genitais e até mesmo no sistema cardiorrespiratório. "Podemos dizer que as situações relacionadas ao amor e ao desejo provocam intensas reações psicológicas e fisiológicas, talvez as mais intensas que um organismo humano possa ter", afirma. E quando estamos apaixonados os cinco sentidos também passam por transformações. A visão, o olfato e o tato ficam mais aguçados. As áreas cerebrais que recebem e processam estas informações captadas pelos órgãos sensoriais ganham muito em qualidade funcional, permitindo que os amantes ganhem experiências mais intensas.

Além de aumentar o bem-estar e o bom humor, a paixão diminui os efeitos do estresse ambiental e melhora o sistema imunológico, o que aumenta a qualidade de vida e a forma de encarar os problemas. "Já foi comprovado que a paixão pode diminuir a depressão, trazer mais motivação e felicidade", fala Denise Amado, neurologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Amar é um vício

Mas os especialistas alertam: apaixonar-se pode ser viciante! Para Akel, a paixão pode se tornar um vício, uma vez que há liberação de alguns hormônios e neurotransmissores que desencadeiam uma resposta de prazer. "Esta descarga, muito relacionada à dopamina, também acontece quando o indivíduo usa substâncias psicoativas. Há ainda o rebaixamento do controle das emoções, do senso crítico e do autocontrole, pois ocorre a redução da serotonina", explica. A escritora Helen também concluiu que o amor ativa áreas do cérebro que são ligadas à recompensa, à vontade de ganhar algo. Ela afirma que esse sentimento pode ser mais forte do que o efeito de algumas drogas e, por essa razão, o fim de um relacionamento pode causar muita dor e ressentimento.


A estudante Larissa Ávila, 20 anos, percebeu que estava apaixonada quando, inexplicavelmente, sentia-se feliz durante o dia, sem que nada tivesse acontecido. Ela declara que quando estava ao lado de seu namorado sentia a respiração acelerada, palpitações e as pernas bambas. "Depois de dois anos de namoro, as sensações são diferentes do início, pois com as difi- culdades do dia a dia, nós aprendemos a respeitar as diferenças e a conviver um com o outro. Mas o sentimento se tornou mais forte, e sei que não preciso de mais ninguém, só da presença dele", completa.

Não há um tempo exato para a paixão se tornar amor. Com o tempo o corpo torna-se resistente aos efeitos dos hormônios


Não há um tempo exato para a paixão se tornar amor. Mas se sabe que com o passar dos meses o organismo vai tornando- se resistente aos efeitos de tantos hormônios. Uma pesquisa realizada por Cindy Hazan, da Universidade Cornell (EUA), afirma que a duração desse sentimento varia de 18 a 30 meses. Segundo o estudo, que foi realizado com mais de 5 mil pessoas de 37 culturas diferentes, esse tempo é o suficiente para que surja o interesse, a aproximação e a decisão do casal ter um filho. A pesquisa destaca que os sintomas da paixão dão lugar a diferentes formas de sentimento, como companheirismo e tolerância, fundamentais para manter uma relação duradoura.

PROGRAMADOS PARA A PAIXÃO
Mas o que faz uma pessoa se aproximar de outra e se apaixonar? De acordo com a ciência, a paixão acontece simplesmente para que ocorra a perpetuação da espécie. 


"Sabe-se que com a teoria da evolução as mulheres buscam homens fortes e altos, que possam cuidar dos herdeiros, e que eles se atraem por parceiras com seios fartos e quadris largos (que alimentarão e não terão dificuldades para engravidar)", afirma Akel. Além da beleza e inteligência, a atração envolve os sentidos, os hormônios e até características genéticas.

Para a pesquisadora Helen, após diversas pesquisas feitas em uma agência de namoro pela internet, existem quatro tipos de personalidades (que são influenciadas pelos genes): exploradores (predomínio de dopamina); construtores (serotonina); negociadores (estrógeno) e diretores (testosterona).

E a atração acontece por meio do odor que é exalado pela influência do hormônio predominante. A pesquisa também demonstra que com o beijo é possível definir se há compatibilidade genética entre os parceiros.

É o que costumamos chamar "quando acontece a química" entre o casal apaixonado.
"Há várias pesquisas que mostram a influência genética das pessoas que se apaixonam, mas existem poucas conclusões concretas. Ainda são necessários estudos sobre o assunto, mas a ciência reconhece que os genes auxiliam na busca pelo parceiro ideal e isso é um grande passo", conclui Denise.
Leonardo Valle

Um comentário:

Anônimo disse...

Charles Darwin também tem teoria parecida. Bom texto.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...