10 de out de 2008

Comer, Rezar, Amar

Esses três verbos sintetizam a grande busca de uma mulher. Pelo menos para a jornalista americana Elizabeth Gilbert, autora do livro Comer, Rezar, Amar, um sucesso editorial já traduzido para 36 idiomas e lido por no mínimo 5 milhões de pessoas. Vamos pegar carona nesta deliciosa viagem. 

A fórmula é irresistível: prazer, devoção, equilíbrio. Tudo bem costurado numa viagem de um ano por Itália, Índia e Indonésia (quatro meses em cada país). Mas o livro Comer, Rezar, Amar não causou tamanha identificação apenas pelo tema. A autora, Elizabeth Gilbert, acertou na leveza com que trata as questões mais caras a todo mundo. Sem banalizá-las. 

"Em algum lugar dessa jornada – que, mais do que uma grande viagem, fala da busca de uma mulher por si mesma – cada um de nós, leitores, já passou. Nos três números acima do jeans, na dificuldade de meditar, no casamento que se desfez, no choro do banheiro", entende a psicoterapeuta Lúcia Rosenberg, fã do livro a ponto de distribuí-lo entre as amigas. 

O fato é que quem leu gostou e muitos ficam interessados só de ouvir o resumo. "É uma história humana, genuína. Não é uma comédia, apesar de ser bem-humorada, não é beata apesar de falar de religiosidade", comenta o psicoterapeuta. Curioso: o livro é dividido em 108 capítulos, como o colar de 108 contas que se costuma usar na Índia para ajudar a se concentrar na meditação. "Como este livro fala de meu esforço para encontrar o equilíbrio, decidi estruturá-lo como um japa mala", escreve a autora. A introdução ficou como uma conta especial, de agradecimento.

O fim da história é algo mais do que a distração. "Há boas dicas de coragem e transformação. Mas não há regras. Fica, então, o encorajamento para que cada um experimente de seu jeito", diz Lúcia. Vamos beliscar um pouco de todos esses pratos que a vida continua servindo.

Comer Não há lugar melhor para resgatar o prazer do que Roma. Assim, a viagem de Elizabeth Gilbert começa. A comida como o primeiro passo rumo ao que há de bom na vida. Para a banqueteira Nina Horta, o alimento tem dessas coisas: um toque de cura. "Comida de mãe, por exemplo, não é só um prato. É a mãe e a infância que estão tocando sua alma. Frango ensopadinho e empadinha de camarão tinham esse efeito em mim. Mas só quando minha mãe fazia. Depois que ela morreu, ninguém faz igual", lembra. Comida prazerosa também é a que tem empenho. 

"Tenho um bufê e um dos clientes sempre pedia festas com carinho. Acho que ele queria dizer envolvimento. Mas no fundo, quando a festa dá certo, é porque as pessoas se gostam", conta Nina. Comidinhas que fazem bem para a alma. 

Essa relação pode ir longe porque todo mundo tem uma. Então, aceite o convite e cresça essa lista. 
• Brigadeiro morno na colher 
• Purê de batata em dia frio • Sorvete no pote vendo TV 
 • Manga • Pão que acabou de sair do forno 
• Pastel, pastel, pastel 
• Bolo de fubá com café feito na hora 
• Doce de abóbora com coco 
• Sopa de feijão com macarrão de letrinhas 
• Macarrão cabelo-de-anjo 
• Bife à milanesa com purê de batata Rezar Oi, Deus. 

Tudo bem? Eu sou a Liz. Muito prazer. Desculpe incomodar o Senhor tão tarde assim', continuei. 'Mas é que eu estou com um problema sério. A conversa com Deus pode ser assim, como fez Liz Gilbert, certo dia, no chão do banheiro, e continuar em um ashram na Índia. Para outros, precisa de uma igreja ou do contato com a natureza. Sinceras formas de aquietar e enxergar seu deus.

Rezar para agradecer e pedir. 

São tantas as mensagens quanto são os deuses, que ao longo do tempo atenderam aos homens. 

 O essencial é reconhecer seu valor maior – peça e ponha fé.

• Número 1: saúde • Paciência 
• Poder ir e vir sem susto 
• Bom humor, sempre
• Sucesso! O meu, o seu, o nosso Um mundo mais justo 
• Para água não acabar, o ar não rarear, o clima não enlouquecer 
• Tenho uma tendência a rezar por mulheres para que elas intercedam junto ao patrão. 

Como Virgem Maria e santa Terezinha. Ah, essa santa é a coisa mais milagreira e amorosa que já vi Amar O amor entre dois é uma maneira de equilibrar o dar e o receber. Esses dois podem ser um homem e uma mulher. Ou um seguidor e seu guru. No livro, a autora reúne os amigos em Nova York e pede, como presente de aniversário, quantias em dinheiro para comprar uma casa em Bali para uma mulher chamada Wayan. 

"Entre tantos amores possíveis, este é o da confraternização. A humanidade ganha equilíbrio quando mais alguém no mundo tem onde morar. Não é que a dona da história deu sua casa àquela mulher. Mas fez com que mais uma pessoa tivesse a sua. Isso é amor", finaliza Lúcia Rosenberg. 

Na última etapa do livro, Liz conhece Felipe e o amor parceiro também recomeça. Há gestos que espalham iluminação e doçura. 

E cada um tem mesmo uma maneira de interpretar o verbo amar. 

• Saber dividir. Somar, multiplicar... 
• É viver mais, sonhar menos 
• Emocionar-se com as histórias de outros • Olhar no olho 
• A mão dele na minha quando saímos para comprar pão 
• The Mamas & The Papas cantando Dream A Little Dream of Me 
• Toda vez que a mãozinha dela pega a minha e me leva até o berço.
Kátia Stringueto

Um comentário:

Marcia disse...

Oi Lucia... maravilhosa como sempre sua abordagem...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...