29 de jan de 2009

Menino triste

Que queres, menino triste? que me páras no farol? Que sonho escuro que viste, Pois teus olhos não têm sol? Tua madrasta é a rua, com seu cimento gelado. E de noite, nem a lua te dá um olhar de trocado… Quem te largou neste mundo, para catares esmola? Se roubas, és vagabundo… Mas quem te roubou a escola? E quem te arrancou da mão um brinquedo e uma esperança? Quem te tirou, sem perdão, o direito a ser criança? Tua escola é a calçada, que freqüentas todo em trapos. Se o dia não rende nada, logo apanhas uns sopapos.
Menino, no olhar me imploras muito mais do que um favor. Querias que tuas horas fossem preenchidas de amor! Mas o que vês são os carros! Passam depressa, sem dó. Os sorrisos te são raros. O Brasil te deixa só. Minha poesia já chora: os meninos são milhões. Será que o povo de agora perdeu os seus corações?
Vá correndo, minha Musa pedir ao homem tão duro, que das riquezas abusa, que reparta seu futuro! Poderá haver perdão, dizei-me vós, Senhor Deus, para a megera nação que assim trata os filhos seus? E a Musa conclama alto, com resquícios de esperança: Brasil, não jogues no asfalto A alma de uma criança! Dora Incontri

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...