23 de jul de 2014

Para viver um grande amor

Com todo respeito a quem diz que viver só é uma questão de escolha, não sou metade evoluída. 

Pra mim viver um grande amor é questão de sobrevivência. Desde que me conheço por gente e que conheço gente do mundo todo, toda gente que eu conheço quer viver um grande amor.

Que graça teria a vida se não fosse pra isso, se não fosse para encontrar um amor grande desses? Um desses que fosse para sempre. Um desses de perder o sono, a fome, o tempo. Um que balance, que chacoalhe, que acabe com as unhas, com o juízo, com a sanidade mental. Mas que depois acalme a alma e sossegue o coração.
Mas para viver um grande amor é preciso viver amores que não sejam grandes, amores que venham pela metade, que cheguem pra depois partir. Daqueles que não deixem saudade, apenas lembranças, e a certeza de que não eram grandes o suficiente.

Passei minha vida procurado por esse amor. Pensei ter encontrado aos 15, quando a gente acha que vai morrer quando o grande amor, que nem era tão grande, mas a gente não sabia que não era grande, acaba.

Depois vieram o Marcio, Andre, o Justin, o Guilherme, o Felipe. Foram todos meus amores, mas nenhum o tal grande amor, que você só descobre que é o tal quando finalmente se depara com algo que nunca sentiu, nunca viveu e nunca experimentou.

Até que um dia, você dá de cara com ele. E nem reconhece, porque ninguém sabe que cara tem o seu bendito grande amor. Não vem com etiqueta, não brilha no escuro, não dá 'match' quando aparece na sua frente.
E você pode perder o bonde do grande amor. Tenho certeza que ele passa algumas vezes por nossa vida, mas nem sempre estamos prontos ou queremos subir - e às vezes é ele que não para. Você nem percebe que pode ser o tal grande amor, porque amores grandes, pequenos e vagabundos começam quase sempre do mesmo jeito.

Eles vêm recheados de sorrisos descontrolados, abraços calorosos, beijos sem-vergonha, conversas sem fim e uma vontade de que as noites não acabem, que os finais de semana sejam eternos. Você quer dar bom dia. Bom almoço. Boa noite. Bom banho. Boa academia. Você só pensa nele o tempo inteiro.

Mas o grande amor quando é grande mesmo continua assim pelos dias que se seguem, pelos meses que se vão, pelos anos que passam. Dá trabalho. É preciso ter um saco de paciência porque ele nunca chega pronto. A gente precisa sovar, amassar e deixar descansar para que o amor cresça e se torne o grande amor.
E ele cresce. E quando você menos espera percebe que não tem apenas um grande amor. Tem um amigo, um companheiro, um parceiro. Alguém que está ali pra encarar numa boa toda a ladainha da alegria e da tristeza, da saúde e da doença. E tudo começa a fazer sentido.

E, então, é preciso estar preparado para dizer eu te amo sem amar mais ou menos, e encarar o tranco de alguém que te ama como você sempre quis, mas nem sabia como era porque nunca tinha vivido um grande amor. É preciso deixar que o amor sufoque, que invada o coração e o pulmão, porque não há grande amor que deixe o fôlego impune e a mente sadia.
Não, não existe a sorte de um grande amor tranquilo.

Esteja preparado para ter briga e ter raiva, ter choro e ter vela. E depois pegar a raiva, apartar a briga e implorar pelas pazes se preciso for. Mais vale um grande amor no coração do que ter razão numa briga de amor.
E depois de tudo, no fim de tudo, quando você deita naquele braço, no meio daquele abraço, tem a certeza de que aquele é o melhor lugar do mundo. E percebe que o seu mundo ficou melhor assim.

Pode ser que ainda inventem, pode ser que para muita gente haja outras motivações, mas eu ainda não conheço nesta vida nada que seja melhor do que viver uma história a dois.
Ao meu grande amor
Mariliz Pereira Jorge

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...